O Festival das Luzes

Em outubro, no início do outono, a cidade de Berlim fica ainda mais bonita, iluminada e musical com a chegada do Festival das Luzes.

DSC_0203.jpg

Torre da TV com planetinhas 😛

Sem dúvidas, esse é um dos meus eventos preferidos por aqui! Criado em 2005 e com duração de dez dias, o festival ilumina os principais pontos turísticos da cidade, especialmente os localizados no centro.

DSC_0205.jpg

A Catedral durante o festival

Projeções animadas e coloridas são lançadas em diversos monumentos históricos, geralmente acompanhadas de músicas, e é super interessante observar como tais monumentos mudam de acordo com elas.

Em um determinado momento, pontos turísticos como o Portão de Brandemburgo, a Torre da TV, e a Catedral de Berlim estão coloridos, noutros parecem estar sendo tomados por algum tipo de “criatura bizarra”, e noutros parecem estar simplesmente desmontando.

DSC_1041.jpg

Portão de Brandemburgo em uma projeção do ano passado

As projeções citadas são criadas por artistas, e variam de monumento para monumento. Além disso, é normal que em alguns deles várias projeções diferentes sejam lançadas, uma após a outra.

Este ano o festival começou no dia 6 de outubro, e acabou dia 15, incluindo não só as iluminações e músicas, mas também tours guiados chamados de LightSeeing. Os visitantes tinham, então, a opção de observar os monumentos de ônibus, barco e, claro, a pé.

Vale lembrar que também fazem parte do festival workshops de fotografia, open house em alguns prédios, e eventos de caridade. Pra quem achou interessante, aqui está o link para o site deles.

IMG_20161010_225531.jpg

A universidade de Direito da Humboldt

Gostou do post? Curte, comente e compartilhe! Quer acompanhar mais de perto meu dia-a-dia por aqui? É fácil, me segue no Instagram!

Beijão,

Vivi.

 

Anúncios

Destino: Ouro Preto – MG

Quem me conhece já ouviu a seguinte frase dita por mim “devo ter nascido em alguma outra vida em Ouro Preto.” Vocês não tem noção de como eu amo aquela cidade! Ela ter um clima diferente, mesmo com a história sendo preservada, tanta coisa acontece. Ela não para no tempo, sabe como?

Eis que depois de 10 anos e algumas tentativas fracassadas em 2017, consegui voltar a essa cidade linda! Passei um fds lá e foi maravilhoso! Não fui no intuito de fazer um turistão, até porque é preciso de condicionamento físico para tanta ladeira! Então esse post aqui vai ser um resumão do que eu fiz, onde fiquei, onde comer…

Ouro Preto fica perto de BH umas 1:30 de carro, com uma estrada maravilhosa apesar de ser bem sinuosa. Daí você aproveita e fica curtindo o visual. Saímos de BH às 8:30 e antes das 10:00 já estávamos estacionando no Hotel.

A dica preciosa para quem quer ir para Ouro Preto é vá de tênis e olhe a previsão do tempo. Quando é quente faz um calor danado e quando esfria é um frio que trinca!! hahaha E o tênis será seu melhor companheiro, porque é só ladeira de pedra!

O lugar que fiquei foi a Pousada Casa dos Contos, bem no centro de Ouro Preto, coladinha da praça central, ou seja, dava pra ir a pé sem cansar muito em vários pontos da cidade. A diária foi 200,00 mas valeu a pena! Tinha estacionamento dentro, o quarto é bem gostoso e um café da manhã sensacional!

Sobre carro, a cidade não tem muito espaço para eles. Então andar muito vai ser o que mais vai acontecer, pois as ruas são bem estreitas. E para quem decide ir de ônibus, da rodoviária de BH sai praticamente de hora em hora da Pássaro Verde e acho que não passa de 35,00 a passagem!

IMG_1323

Vista do meu quarto, ao fundo o Parque Estadual Itacolomi

O nosso hotel praticamente dividia parede com um restaurante bem famosinho em Ouro Preto, o Conto de Réis. Não fomos nele porque ele é bem carinho!

Assim que fizemos o check-in fomos bater perna, porque eu sou dessas! hahaha E a primeira parada claro que foi a Praça Tiradentes.

 

Foi nela em que a cabeça de Tiradentes foi exposta, inclusive tem o monumento. Quando eu via por fotos, achava que era uma praça enorme, mas na realidade não é. E o melhor, é a partir de lá que você consegue visitar vários lugares a pé, pois tem a Casa dos Contos, a Feira das Pedras, igrejas, museus, restaurantes, cafés, lojas. Enfim, a vida lá acontece nas ruas que saem a partir da praça.

IMG_1305

Ao redor dela tem de tudo, cafés, MUITA joalheria! Fiquei impressionada na quantidade de joalheria que a cidade tem. Eu sei que Ouro Preto tem uma forte veia de extração de minerais (pense numa cidade coalhadinha de pedras preciosas), mas ainda sim me impressionei com a quantidade de joalherias. É uma do lado da outra, sem fim!

IMG_1310IMG_1313

Aproveitamos que estávamos por ali e fomos visitar o Museu da Inconfidência!

IMG_1326

Você paga 10,00 (só aceitam dinheiro) para visitar e não pode fotografar, nem estar com bolsa. E para isso você guarda seus itens num armário e fica com a chave! Pra mim são 10,00 super válidos, porque você gasta pelo menos 1 hora vendo as peças, lendo as plaquinhas. Tem MUITA coisa, inclusive ossos de alguns inconfidentes, além de obras da literatura como por exemplo, Marília de Dirceu (aquilo que a gente aprendia nas aulas de literatura pro vestibular haahah)

IMG_1338

as ruas são todas assim! Essa era uma das mais planas!

Depois de tanto subir ladeira e descer ladeira, fomos almoçar no restaurante Quinto do Ouro, na Conde de Bobadela. Pense num lugar delicioso!! Um buffet para todos os gostos, com muita salada, carnes, arroz integral e claro, comidinha mineira! Super bem decorado e pasmem, 29,90 para comer a vontade, incluindo sobremesa! Só paga de extra as bebidas! Virou meu lugar favorito na Terra hahaha

IMG_0183

Essa pelo menos tinha escada! haahah

A noite fomos jantar numa pizzaria MARAVILHOSA chamada O Passo PizzaJaz. Fica ao lado do Museu Casa dos Contos e tem uma vista maravilhosa! É um restaurante num casarão com vários ambientes, que tem uma varanda mega charmosa e que a noite é iluminada a luz de velas ❤ Na parte interna música jazz ambiente, super agradável! Toda a equipe é maravilhosa! As pizzas grandes variam de 50,00 até 80,00, mas tem opções de 40 e poucos. E sério, pizza super gostosa, leve, saborosa, massa fina, assada no forno de lenha e na pedra. Não vem com litros de óleo! Você sente cada sabor!

IMG_0214

Tem um cardápio bem variado de bebidas e uma vasta carta de vinhos! Claro que fui no vinho porque tava muito frio… hehehehe

IMG_0208

Nota mental: nunca fique bêbado se você pretende voltar a pé pro hotel. Bebida + subir os ladeirões de pedra não é nem um pouco recomendável! hahahaha

No dia seguinte, ficamos só meio dia, pois eu queria ir na Feira do Largo do Coimbra (vai ter post especial para ele), na Casa dos Contos e em uma igreja.

A Casa dos Contos é onde el diñero rolava na cidade! É um passeio muito bacana de fazer por dois motivos: é de graça (muitas atrações são pagas) e tem muito item histórico. Inclusive a Casa possui uma senzala (parte mais pesada do passeio) com itens originais da época. Em toda a Casa pode tirar foto, menos na senzala, pois é patrimônio particular e o dono não autoriza.

(vistas da varanda da Casa dos Contos)

E aí você aproveita que está com essa vista e tira foto bem turistona hahaha

IMG_1414

Sobre o item igrejas preciso detalhar um pouco. Ouro Preto tem MUITA igreja, todo lado tem uma. Umas mais bem cuidadinhas, outras nem tanto. Se for do seu interesse o turismo religioso fique consciente de que você vai andar bastante e se quiser conhecer as que estão abertas para visitação, vai ter que desembolsar uma boa graninha.

Vi o preço de visitação por 10 REAIS!!!! Pedi perdão a Deus, porque não dava não! E só aceitam dinheiro, nada de cartão! E sinceramente achei bem abusivo, porque você não vai passar 1 hora dentro de uma igreja pra eles cobrarem esse tanto. Tem igreja cheinha de ouro? Tem! Mas mesmo assim não vale o preço! Então só fotografei algumas e que não lembro o nome, porque eu o boy nos perdemos no mapa hahaha

IMG_0187IMG_1397IMG_1419

No mais, foi um fds maravilhoso! Cansativo, mas super gostoso! ❤ E se eu pretendo voltar pra OP? É claaaro!! hahaah ❤

Curte a gente na nossa fanpage clicando aqui

Beeeijo

Rah

 

Voando com a Ryanair

Começo dizendo que não, este não é um post publicitário hahahahah (Ryanair, dá passagem pra nós – Vivian mendiga).

A Ryanair é uma empresa aérea low cost (de verdade!), que tem vôos com preços camaradas, e se as passagens forem compradas com antecedência é que a viagem fica ainda mais em conta (dá pra conseguir passagens por dez euros!!!).

Os vôos são por praticamente toda Europa, e isso é uma mão na roda pra quem quer fazer um passeio por aqui, pois os valores são baixos e os países próximos, o que significa poucas horas no avião e mais horas de turismo.

Uma passagem pela Ryanair te garante a viagem, um assento gratuito (caso estes não estejam esgotados), e o direito de carregar consigo uma bagagem na cabine que pese no máximo 10 kg e siga certas especificações de tamanho, além de uma bolsa pequena.

Caso o passageiro queira mais regalias, deverá pagar por elas. É por isso que a Ryanair possui pacotes como o Plus, Flexi Plus, ou Family Plus.

Na minha última viagem, eu e meu marido compramos o Plus, que nos deu o direito de levar uma bagagem de 20 kg por passageiro no porão do avião, e embarque prioritário.

No mais, a experiência de vôo não é tão diferente das companhias brasileiras. A aeronave é pequena, havendo duas filas com três poltronas de cada lado, e quem quiser um assento com mais espaço pode desembolsar uma grana para isso.

Os vôos costumam ser bem cheios, principalmente nos meses de verão. Vale ressaltar que quase todos os extras da Ryanair são pagos, e isso inclui a comida servida no avião. De diferente, o que notei é que vendem cosméticos lá dentro! Após passarem com os carrinhos de comes e bebes, as aeromoças trazem um com maquiagens, perfumes, hidratantes e etc.

Por fim, o resumo da Ryanair é o seguinte: passagem barata de verdade, e avião estilo Gol, com o adicional da venda de cosméticos hahahaha.

Deixo também a dica de que a Ryanair não é a única companhia low cost da Europa. Aqui também há a Airberlin (que decretou falência mas continua voando e vendendo passagens) e a easyJet.

 

O transporte público em Berlim

Eu já falei sobre a experiência de pedalar em Berlim aqui, e também comentei que desde que vim pra cá eu não dirijo e não sinto a menor falta. Hoje eu mostro outro meio de locomoção disponível na cidade: o transporte público, que é de qualidade!

Em Berlim você acha ônibus, trem, metrô, e bondes, e essas quatro opções são suficientes pra você ir para os locais mais distantes da cidade sem precisar de um carro.

IMG_20161223_130755_888.jpg

O bonde, também conhecido como Tram – esse da foto é uma versão mais antiga, mas muito fofo (eu adoro os Trams kkkkk)

Além disso, utilizar o transporte público daqui é muito simples: basta comprar um ticket compatível com a sua necessidade, e embarcar. Ele pode ser para um viagem de curta distância, bicicletas, estudantes, turismo, para um dia inteiro, um mês, ou você pode comprar um pacote anual. Geralmente o ticket comprado vale para todos os meios de transporte da cidade.

Outra coisa que acho muito interessante é que aqui não existem catracas para acessar o transporte público. Você simplesmente compra seu ticket em uma máquina, em seguida você o valida em um aparelho que marca a data e hora do momento (sendo que alguns tickets não precisam de validação), e pronto, pode entrar no transporte público. A única “exceção” para essa regra é o ônibus, onde você deve mostrar seu ticket para o motorista.

BeFunky Collage.jpg

Da esquerda pra direita: a máquina onde o ticket é vendido (há opções de compra em inglês e outras línguas), o aparelho de validação, e um ticket diário já validado

Porém, atenção! O fato do transporte público não possuir catracas não significa que não há fiscalização. Ela existe e normalmente é realizada por fiscais à paisana. Quando você menos espera, uma pessoa com a aparência de um passageiro saca um crachá, uma maquininha, e sai pedindo pra ver os tickets das pessoas e, em caso de irregularidade, você será multado em 60 euros.

DSC_0386

Sem catracas, você entra e sai de boa

Fora o que citei acima, para facilitar ainda mais a vida de quem anda por aqui, existem pelo menos 2 apps que mostram os melhores caminhos utilizando o transporte público berlinense, fora que o próprio Google já faz isso. Basta acessar mapas, colocar seu local e destino, clicar em “rotas” e depois no ícone do bonde/ ônibus (nunca sei de qual deles é o ícone kkkkkk alok), e pronto, você terá não só o melhor caminho para chegar em um determinado local usando o transporte público, bem como você terá o horário preciso no qual ele irá passar.

Por falar nisso, via de regra o transporte público daqui é bem pontual. Nas estações de trem, bonde e metrô há sempre um painel eletrônico mostrando qual a direção dele e quanto tempo falta para ele chegar (na ocasião de obras na estação o painel pode ser trocado por um papel com os horários). Já no caso dos ônibus, há sempre uma plaquinha nos pontos mostrando os horários nos quais eles passam.

DSC_0851

No canto esquerdo superior da foto dá pra ver o painel eletrônico que identifica a linha do metrô e o horário que ele passa

Claro que a Alemanha é um país, e não um paraíso. Atrasos acontecem, e transporte lotado também, porém, mesmo assim, acho tudo muito tranquilo. Os preços são justos, a maioria esmagadora das pessoas é super educada, e mesmo que um transporte atrase ou não apareça por alguma razão, há sempre uma alternativa (exemplo, o trem não vai passar por causa de uma reforma nos trilhos, então um ônibus faz a rota dele).

Conclusão: com a minha bicicleta velha e esse transporte público super eficiente, só Deus sabe quando eu vou dirigir novamente (já já faz um ano desde que sentei no banco do motorista pela última vez, vou fazer um bolinho pra comemorar kkkk).

Gostaram do post? Curtam, comentem, compartilhem! 😀 Tem algum tema que vocês querem que eu aborde aqui no blog? Se sim, digam nos comentários, ou entrem em contato comigo pelas minhas redes sociais! Querem ver meu dia-a-dia aqui na Alemanha mais de perto? É fácil, me sigam no Instagram: viviancreder. 🙂

Beijão pra vocês :*

Vivi.

 

Bate e volta Berlim – Nürnberg

O post de hoje vai ser quase como um diário de viagem com dicas para dois lugares bem legais!

DSC_0502.jpg

Gente, que lugar lindo!

Porém, antes de tudo é preciso contextualizar. Eu e meu marido moramos em Berlim e trabalhamos em uma empresa sediada no sul da Alemanha, na cidade de Nürnberg. De tempos em tempos rolam umas comemorações que reúnem os funcionários, e na última sexta foi a vez da festa de verão, no lago Kleiner Brombachsee.

Saímos de Berlim às 8:30 da manhã da sexta-feira, e encaramos uma viagem de 5h e 30min de duração até chegarmos em Nürnberg. De lá, pegamos um carro, passamos por vários vilarejos super fofos, e em uma hora chegamos ao Kleiner Brombachsee.

IMG_20170804_224831_595

O lago maravilhoso.

O lago fica em uma região mais isolada, e me impressionou muito por sua história (já que ele é artificial) e organização. O local é lindo, e tem opções para os mais diversos gostos, como restaurantes, áreas para acampar e fazer churrasco, mini golf, escola para cachorros, e programações na água, como stand up paddle.

IMG_20170804_224831_594

Acho que não preciso dizer que a festa foi ótima! Comemos muito churrasco e nadamos no lago gelado (hahaha) e, quando anoiteceu, voltamos para Nürnberg.

DSC_0482 (2).jpg

Churrasquinho da firma hahaha.

O dia seguinte foi só de turismo! Nürnberg tem 517.498 habitantes, e muita história. Apenas para ilustrar, a primeira menção documentada sobre a cidade data de 1050, e é sobre o seu Castelo Imperial.

DSC_0508.jpg

Vista do centro histórico de Nürnberg de cima do Castelo Imperial.

O centro histórico da cidade é lindo, todo murado e com muitas coisas medievais, e em cada esquina há algo interessante. Em nosso passeio vimos várias igrejas (há muitas nessa região), o Castelo mencionado acima, o Museu dos Brinquedos, dentre outras coisas.

Vale lembrar que o centro histórico de Nürnberg foi bastante destruído após a segunda Guerra Mundial. Contudo, ele foi reconstruído a partir de planos originais existentes desde a Idade Média, e hoje está de pé, recebendo muitos turistas!

DSC_0507.jpg

O Castelo Imperial.

Nosso passeio terminou após irmos até um Café de Gatos onde você come e toma suas bebidas, e eles ficam dormindo ou brincando com os visitantes (amei demais esse lugar, pois sou a louca dos gatos hahaha).

Eu espero visitar Nürnberg mais vezes, e recomendo muito uma ida para essa região, pois há muitas coisas legais pra se fazer lá, e muita coisa bonita de se ver.

DSC_0510.jpg

Eu só queria um desses apartamentos hahaha.

Gostaram do post? Curtam, comentem, compartilhem! 😀 Tem algum tema que vocês querem que eu aborde aqui no blog? Se sim, digam nos comentários, ou entrem em contato comigo pelas minhas redes sociais! Querem ver meu dia-a-dia aqui na Alemanha mais de perto? É fácil, me sigam no Instagram: viviancreder! E digo mais, quem me acompanha no Insta viu essa viagem em tempo real 🙂

DSC_0496.jpg

Tschüss, e até o próximo post 🙂

Beijão pra vocês :*

Vivi.

A East Side Gallery

Muitos já estão familiarizados com a história do Muro de Berlim – sobre a qual me aprofundarei aos poucos em posts futuros – e sobre o lado artístico daqui, que aflora através de roupas, tatuagens, galerias, museus, e arte de rua.

IMG_1665 (2)

A East Side Gallery.

Uma dessas manifestações é a East Side Gallery, a maior galeira de arte ao ar livre do mundo, possuindo 1.316 metros. Ela surgiu em 30.09.1990, após a queda do Muro de Berlim, quando 118 artistas de 21 países pintaram partes remanescentes dele com os mais diversos temas, que exaltavam a reunificação do país, e o fim da guerra fria.

IMG_1664 (2).jpg

Liberdade!

Em 2009 a região passou por uma grande reforma que custou 2 milhões de euros. Por isso, os artistas que haviam pintado o muro previamente foram convidados para participar de tal renovação. Fontes oficiais falam que foi assim que a galeria foi “recriada”.

 

IMG_1695 (2).jpg

Tem até o Batman na galeria 😀

A reforma foi necessária pois há um forte trabalho de preservação das artes expostas na East Side Gallery, especialmente por parte dos artistas que deixaram seus trabalhos lá. Infelizmente, é comum ver pessoas pichando, arrancando pedaços, escalando, e colocando os pés no muro para fazer fotos e vídeos.

IMG_1689 (2).jpg

O menino tá cabisbaixo depois de ter sido rabiscado hahahah.

Contudo, deve-se lembrar que a East Side Gallery é um grande conjunto de pinturas que foram feitas em um local histórico. De acordo com as autoridades, se tais comportamentos se perpetuarem, a galeria acabará nos próximos anos (neeeeeeeein).

IMG_1680 (2).jpg

Rapaz vendendo sua arte em frente ao muro.

A galeria fica localizada na Mühlenstraße, e é aberta 24 horas, com visitação gratuita. Lá, é possível encontrar também um museu sobre o Muro de Berlim, e um quiosque vendendo souvenir.

IMG_1635 (2).jpg

O início da galeria na Mühlenstraße.

Eu aconselho fortemente uma visita à East Side Gallery caso você esteja de passagem por Berlim, pois é uma programação gratuita, de fácil acesso pelo transporte público, e o local é extremamente impactante.

IMG_1687 (2).jpg

Achei essa pintura super legal, e ficaria melhor ainda sem os rabiscos por cima :/

É muito interessante observar o muro e refletir sobre como ele dividiu uma cidade e um país, oprimindo um povo, e separando amigos e famílias. E é melhor ainda ver como essa região, que antes era um símbolo de repressão, hoje é um monumento à liberdade em seu sentido mais amplo.

IMG_1715 (2).jpg

My God, Help Me to Survive This Deadly Love: uma das pinturas mais famosas da East Side Gallery.

Para mais informações sobre a galeria e seus artistas, acesse o site oficial da East Side Gallery (dá para ler em Alemão, Inglês ou Francês – há outras línguas, mas não funcionou quando cliquei nos ícones), e entre no Google Arts and Culture deles ( que está em Alemão, porém possui imagens de várias pinturas com o nome dos artistas que trabalharam nelas).

IMG_1639 (2).jpg

Provérbio africano que é traduzido como: “muita gente pequena em muitos lugares pequenos, fazendo coisas pequenas mudarão a face da Terra.”

Gostaram do post? Curtam, comentem, compartilhem! 😀 Tem algum tema que vocês querem que eu aborde aqui no blog? Se sim, digam nos comentários, ou entrem em contato comigo pelas minhas redes sociais! Querem ver meu dia-a-dia aqui na Alemanha mais de perto? É fácil, me sigam no Instagram: viviancreder. 🙂

Beijão pra vocês :*

Vivi.

Grunewald, uma floresta em Berlim

Semana passada falei sobre andar de bicicleta em Berlim, e o tema de hoje tem uma certa conexão com o meu post anterior.

Eu e meu marido estamos criando o hábito de fazer longas pedaladas no final de semana com o objetivo de explorar mais a cidade, e ontem decidimos ir a um local distante e diferente.

DSC_0376-01.jpeg

A floresta.

Grunewald é uma floresta de 3.000 hectares na região ocidental de Berlim, sendo a maior área verde daqui. Nós chegamos lá por uma de suas bordas, e não pela entrada principal, passando pela estação de trem Heerstraße, e pedalamos por uma rua para bicicletas (mas por onde também circulam carros) até entrarmos na floresta.

DSC_0369-01.jpeg

Rua que nos levou até a floresta.

Eu amo a natureza, adoro parques e atividades ao ar livre, e esse local proporciona tudo isso. A região é enorme, e ótima para pedalar, caminhar e correr, contando com muitas opções de diversão.

Durante nossa jornada pequena excursão, nós pedalamos por dentro da floresta, depois fomos para o Ökowerk, que é um centro de conservação da natureza (e que disponibiliza programações para crianças), e passamos por um lago com uma área de nudismo (digo logo que isso é MUITO normal por aqui, e nós vimos muitas bundas e gente como veio ao mundo se bronzeando na grama).

DSC_0374-01.jpeg

O início da nossa pedalada na floresta.

DSC_0372-01.jpeg

Parte do Ökowerk.

DSC_0381-01.jpeg

O lago (sem os nudistas, pois não rola postar foto de gente pelada hahaha).

O passeio todo, saindo de casa e pedalando pela floresta, totalizou cerca de 30 km. Porém, a região é bem grande e nós não tivemos a oportunidade de ver tudo que tem por lá. Além do que mencionei, em Grunewald você ainda encontra pelo menos um bistrô, um bar, uma torre com uma vista bem bonita, e a maior elevação de Berlim (115 metros).

DSC_0384-01.jpeg

Bistrô fofinho do Ökowerk.

Deixo aqui apenas uma dica de amiga: se você decidir fazer esse passeio em uma época mais quente (estamos no verão), leve um repelente de mosquitos, pois lá tem muitos.

Por fim, eu super recomendo uma visita à floresta Grunewald. O lugar é lindo, e em cada canto você descobre algo novo e diferente para observar e se aventurar.

DSC_0377-01.jpeg

Uma das várias pistas por dentro da floresta.

Aqui está o link em inglês para o site Visit Berlin, explicando um pouco a respeito da floresta, aqui está o link em inglês da Wikipedia, que também fala sobre essa região, e aqui está o link em alemão do Ökowerk. Todos podem ser traduzidos com a ajuda do Google Tradutor 🙂

DSC_0380-01.jpeg

Até a próxima 🙂

Gostaram do post? Curtam, comentem, compartilhem! 😀 Tem algum tema que vocês querem que eu aborde aqui no blog? Se sim, digam nos comentários, ou entrem em contato comigo pelas minhas redes sociais! Querem ver meu dia-a-dia aqui na Alemanha mais de perto? É fácil, me sigam no Instagram: viviancreder.

Beijão pra vocês :*

Vivi.