Bate e volta Berlim – Nürnberg

O post de hoje vai ser quase como um diário de viagem com dicas para dois lugares bem legais!

DSC_0502.jpg

Gente, que lugar lindo!

Porém, antes de tudo é preciso contextualizar. Eu e meu marido moramos em Berlim e trabalhamos em uma empresa sediada no sul da Alemanha, na cidade de Nürnberg. De tempos em tempos rolam umas comemorações que reúnem os funcionários, e na última sexta foi a vez da festa de verão, no lago Kleiner Brombachsee.

Saímos de Berlim às 8:30 da manhã da sexta-feira, e encaramos uma viagem de 5h e 30min de duração até chegarmos em Nürnberg. De lá, pegamos um carro, passamos por vários vilarejos super fofos, e em uma hora chegamos ao Kleiner Brombachsee.

IMG_20170804_224831_595

O lago maravilhoso.

O lago fica em uma região mais isolada, e me impressionou muito por sua história (já que ele é artificial) e organização. O local é lindo, e tem opções para os mais diversos gostos, como restaurantes, áreas para acampar e fazer churrasco, mini golf, escola para cachorros, e programações na água, como stand up paddle.

IMG_20170804_224831_594

Acho que não preciso dizer que a festa foi ótima! Comemos muito churrasco e nadamos no lago gelado (hahaha) e, quando anoiteceu, voltamos para Nürnberg.

DSC_0482 (2).jpg

Churrasquinho da firma hahaha.

O dia seguinte foi só de turismo! Nürnberg tem 517.498 habitantes, e muita história. Apenas para ilustrar, a primeira menção documentada sobre a cidade data de 1050, e é sobre o seu Castelo Imperial.

DSC_0508.jpg

Vista do centro histórico de Nürnberg de cima do Castelo Imperial.

O centro histórico da cidade é lindo, todo murado e com muitas coisas medievais, e em cada esquina há algo interessante. Em nosso passeio vimos várias igrejas (há muitas nessa região), o Castelo mencionado acima, o Museu dos Brinquedos, dentre outras coisas.

Vale lembrar que o centro histórico de Nürnberg foi bastante destruído após a segunda Guerra Mundial. Contudo, ele foi reconstruído a partir de planos originais existentes desde a Idade Média, e hoje está de pé, recebendo muitos turistas!

DSC_0507.jpg

O Castelo Imperial.

Nosso passeio terminou após irmos até um Café de Gatos onde você come e toma suas bebidas, e eles ficam dormindo ou brincando com os visitantes (amei demais esse lugar, pois sou a louca dos gatos hahaha).

Eu espero visitar Nürnberg mais vezes, e recomendo muito uma ida para essa região, pois há muitas coisas legais pra se fazer lá, e muita coisa bonita de se ver.

DSC_0510.jpg

Eu só queria um desses apartamentos hahaha.

Gostaram do post? Curtam, comentem, compartilhem! 😀 Tem algum tema que vocês querem que eu aborde aqui no blog? Se sim, digam nos comentários, ou entrem em contato comigo pelas minhas redes sociais! Querem ver meu dia-a-dia aqui na Alemanha mais de perto? É fácil, me sigam no Instagram: viviancreder! E digo mais, quem me acompanha no Insta viu essa viagem em tempo real 🙂

DSC_0496.jpg

Tschüss, e até o próximo post 🙂

Beijão pra vocês :*

Vivi.

Anúncios

A East Side Gallery

Muitos já estão familiarizados com a história do Muro de Berlim – sobre a qual me aprofundarei aos poucos em posts futuros – e sobre o lado artístico daqui, que aflora através de roupas, tatuagens, galerias, museus, e arte de rua.

IMG_1665 (2)

A East Side Gallery.

Uma dessas manifestações é a East Side Gallery, a maior galeira de arte ao ar livre do mundo, possuindo 1.316 metros. Ela surgiu em 30.09.1990, após a queda do Muro de Berlim, quando 118 artistas de 21 países pintaram partes remanescentes dele com os mais diversos temas, que exaltavam a reunificação do país, e o fim da guerra fria.

IMG_1664 (2).jpg

Liberdade!

Em 2009 a região passou por uma grande reforma que custou 2 milhões de euros. Por isso, os artistas que haviam pintado o muro previamente foram convidados para participar de tal renovação. Fontes oficiais falam que foi assim que a galeria foi “recriada”.

 

IMG_1695 (2).jpg

Tem até o Batman na galeria 😀

A reforma foi necessária pois há um forte trabalho de preservação das artes expostas na East Side Gallery, especialmente por parte dos artistas que deixaram seus trabalhos lá. Infelizmente, é comum ver pessoas pichando, arrancando pedaços, escalando, e colocando os pés no muro para fazer fotos e vídeos.

IMG_1689 (2).jpg

O menino tá cabisbaixo depois de ter sido rabiscado hahahah.

Contudo, deve-se lembrar que a East Side Gallery é um grande conjunto de pinturas que foram feitas em um local histórico. De acordo com as autoridades, se tais comportamentos se perpetuarem, a galeria acabará nos próximos anos (neeeeeeeein).

IMG_1680 (2).jpg

Rapaz vendendo sua arte em frente ao muro.

A galeria fica localizada na Mühlenstraße, e é aberta 24 horas, com visitação gratuita. Lá, é possível encontrar também um museu sobre o Muro de Berlim, e um quiosque vendendo souvenir.

IMG_1635 (2).jpg

O início da galeria na Mühlenstraße.

Eu aconselho fortemente uma visita à East Side Gallery caso você esteja de passagem por Berlim, pois é uma programação gratuita, de fácil acesso pelo transporte público, e o local é extremamente impactante.

IMG_1687 (2).jpg

Achei essa pintura super legal, e ficaria melhor ainda sem os rabiscos por cima :/

É muito interessante observar o muro e refletir sobre como ele dividiu uma cidade e um país, oprimindo um povo, e separando amigos e famílias. E é melhor ainda ver como essa região, que antes era um símbolo de repressão, hoje é um monumento à liberdade em seu sentido mais amplo.

IMG_1715 (2).jpg

My God, Help Me to Survive This Deadly Love: uma das pinturas mais famosas da East Side Gallery.

Para mais informações sobre a galeria e seus artistas, acesse o site oficial da East Side Gallery (dá para ler em Alemão, Inglês ou Francês – há outras línguas, mas não funcionou quando cliquei nos ícones), e entre no Google Arts and Culture deles ( que está em Alemão, porém possui imagens de várias pinturas com o nome dos artistas que trabalharam nelas).

IMG_1639 (2).jpg

Provérbio africano que é traduzido como: “muita gente pequena em muitos lugares pequenos, fazendo coisas pequenas mudarão a face da Terra.”

Gostaram do post? Curtam, comentem, compartilhem! 😀 Tem algum tema que vocês querem que eu aborde aqui no blog? Se sim, digam nos comentários, ou entrem em contato comigo pelas minhas redes sociais! Querem ver meu dia-a-dia aqui na Alemanha mais de perto? É fácil, me sigam no Instagram: viviancreder. 🙂

Beijão pra vocês :*

Vivi.

Grunewald, uma floresta em Berlim

Semana passada falei sobre andar de bicicleta em Berlim, e o tema de hoje tem uma certa conexão com o meu post anterior.

Eu e meu marido estamos criando o hábito de fazer longas pedaladas no final de semana com o objetivo de explorar mais a cidade, e ontem decidimos ir a um local distante e diferente.

DSC_0376-01.jpeg

A floresta.

Grunewald é uma floresta de 3.000 hectares na região ocidental de Berlim, sendo a maior área verde daqui. Nós chegamos lá por uma de suas bordas, e não pela entrada principal, passando pela estação de trem Heerstraße, e pedalamos por uma rua para bicicletas (mas por onde também circulam carros) até entrarmos na floresta.

DSC_0369-01.jpeg

Rua que nos levou até a floresta.

Eu amo a natureza, adoro parques e atividades ao ar livre, e esse local proporciona tudo isso. A região é enorme, e ótima para pedalar, caminhar e correr, contando com muitas opções de diversão.

Durante nossa jornada pequena excursão, nós pedalamos por dentro da floresta, depois fomos para o Ökowerk, que é um centro de conservação da natureza (e que disponibiliza programações para crianças), e passamos por um lago com uma área de nudismo (digo logo que isso é MUITO normal por aqui, e nós vimos muitas bundas e gente como veio ao mundo se bronzeando na grama).

DSC_0374-01.jpeg

O início da nossa pedalada na floresta.

DSC_0372-01.jpeg

Parte do Ökowerk.

DSC_0381-01.jpeg

O lago (sem os nudistas, pois não rola postar foto de gente pelada hahaha).

O passeio todo, saindo de casa e pedalando pela floresta, totalizou cerca de 30 km. Porém, a região é bem grande e nós não tivemos a oportunidade de ver tudo que tem por lá. Além do que mencionei, em Grunewald você ainda encontra pelo menos um bistrô, um bar, uma torre com uma vista bem bonita, e a maior elevação de Berlim (115 metros).

DSC_0384-01.jpeg

Bistrô fofinho do Ökowerk.

Deixo aqui apenas uma dica de amiga: se você decidir fazer esse passeio em uma época mais quente (estamos no verão), leve um repelente de mosquitos, pois lá tem muitos.

Por fim, eu super recomendo uma visita à floresta Grunewald. O lugar é lindo, e em cada canto você descobre algo novo e diferente para observar e se aventurar.

DSC_0377-01.jpeg

Uma das várias pistas por dentro da floresta.

Aqui está o link em inglês para o site Visit Berlin, explicando um pouco a respeito da floresta, aqui está o link em inglês da Wikipedia, que também fala sobre essa região, e aqui está o link em alemão do Ökowerk. Todos podem ser traduzidos com a ajuda do Google Tradutor 🙂

DSC_0380-01.jpeg

Até a próxima 🙂

Gostaram do post? Curtam, comentem, compartilhem! 😀 Tem algum tema que vocês querem que eu aborde aqui no blog? Se sim, digam nos comentários, ou entrem em contato comigo pelas minhas redes sociais! Querem ver meu dia-a-dia aqui na Alemanha mais de perto? É fácil, me sigam no Instagram: viviancreder.

Beijão pra vocês :*

Vivi.

Pedalando em Berlim

Eu não dirijo desde que me mudei pra Alemanha e, sinceramente, não sinto a menor falta (eternamente traumatizada com o trânsito recifense). Desde que vim pra cá, eu resolvi aproveitar o excelente transporte público que o país tem pra oferecer. Foi aí que notei um número bem grande de ciclistas em Berlim, o que despertou a minha curiosidade.

IMG_1230 (2).jpg

Confesso que a ideia de usar a bicicleta como meio de transporte diário era algo que me assustava. Eu realmente tinha medo de sofrer ou causar um acidente, e comecei a perguntar para amigos e conhecidos sobre o assunto: é tranquilo, é favorável seguro?

Como a resposta era sempre positiva, eu decidi dar o primeiro passo e comprei uma bicicleta usada (de acordo com minhas pesquisas, ela é uma edição de 1979 hahaha). Posso dizer que essa foi uma decisão muito acertada, pois pedalar aqui é simplesmente maravilhoso.

IMG_1186 (2).jpg

Todo mundo pedalando!

Berlim possui cerca de 620 km disponíveis para bicicletas, e uma estrutura impressionante para aqueles que gostam de pedalar. São ciclofaixas em calçadas e ruas, espaços para ciclistas em faixas de ônibus, sinalizações, tickets de transporte público apenas para as bicicletas, e mais. Aqui, pedalar é algo muito sério, tanto é que as crianças aprendem desde muito cedo.

IMG_1173 (2).jpg

Mamãe ciclista com o filho, ao lado de um semáforo para bicicletas.

Entretanto, o que mais me impressionou foi o respeito. No início eu ficava meio aterrorizada com a ideia de pedalar em uma rua cheia de carros, mas depois vi que o medo era infundado.

Os motoristas aqui são fortemente encorajados a proteger aqueles mais vulneráveis. Dessa forma, você pode andar devagar e tranquilo com sua bicicleta em uma rua que ninguém atrás de você vai buzinar ou te intimidar. Simplesmente vão ter paciência com seu ritmo (é lindo, sério).

IMG_1340 (2).jpg

Ciclofaixa é coisa séria e os motoristas respeitam.

Além da boa estrutura oferecida para os ciclistas, e do respeito geral que há aqui, existe também toda uma questão de segurança envolvida, com requisitos que devem ser cumpridos para que sua bicicleta possa rodar. São eles uma buzina, freios em ordem, refletores nas rodas, e luzes dianteira e traseira. Eu já fui parada em uma blitz para ciclistas e tudo isso foi checado, inclusive a procedência da minha bicicleta.

IMG_1286 (2).jpg

Bicicleta nos conformes, com buzina e luz dianteira. Porém, tem alguma coisa faltando…

E é aí que mora um tema polêmico. Berlim é uma cidade com um histórico extremamente baixo de crimes violentos, porém alguns furtos são comuns, dentre eles o de bicicletas e suas peças. Imagina a cena, você deixa a coitada estacionada, pernoitando em um local, e no outro dia ela não está lá (ódio). Portanto, se é pra adquirir uma, lembre-se sempre de comprar uma trava das boas, pois vale muito o investimento, deixando-a bem presa em uma região segura e preferencialmente iluminada (mas fiquem de boa que ninguém vai ameaçar vocês com uma arma pra levar a bicicleta).

Hoje eu só uso o transporte público em caso de chuva média pra forte. No mais, vou pra todo canto pedalando, seja pra trabalhar, estudar ou passear, e amo. Eu relaxo, admiro a paisagem, e quando vejo, cheguei ao meu destino 🙂

IMG_1258 (2).jpg

Foto meramente ilustrativa, pois essa não sou eu hahaha.

Gostaram do post? Curtam, comentem, compartilhem! 😀 Tem algum tema que vocês querem que eu aborde aqui no blog? Se sim, digam nos comentários, ou entrem em contato comigo pelas minhas redes sociais! Querem ver meu dia-a-dia aqui na Alemanha mais de perto? É fácil, me sigam no Instagram.

As fotos deste post foram tiradas pelo meu amigo maravilhoso Luan Caja. Vejam mais no Instagram dele!

Beijão pra vocês :*

Vivi.

 

Viagem: Vem conhecer nossa nova colunista!

Hello meninos e meninas! Adorei o convite da Raissa para ser colunista do blog com dicas de viagem, roteiros e truques para viajar bastante e gastando pouco! Tem coisa melhor? Acho que não né? Rs

Então para quem não me conhece, me chamo Ana Paula, sou jornalista, mochileira desbravadora e detalhe: sou irmã da Raissa 😀

anita-

E como diria um filósofo: Viajar é a melhor forma de se perder e de se encontrar ao mesmo tempo! Por isso, nosso encontro está marcado aqui no blog sempre às sextas-feiras com posts bem legais sobre minhas experiências em diversos destinos do Brasil e do mundo, roteiros, como montar uma mala legal e prática, além das dicas que envolvem o planejamento de uma viagem que todo mundo ama, não é mesmo?

Te vejo na sexta! Beijo Beijo

Ana Paula Batista