Dobrar para multiplicar espaço!

Não é novidade que eu sou apaixonada pela Marie Kondo, né?! Tenho os dois livros dela que são verdadeiros guias para quem quer uma vida mais organizada e fluida. Porém uma coisa eu tenho que confessar, algumas dicas dela eu era bem resistente por achar besteira pura até que resolvi aplicar e foi mudança de vida!

Eu era extremamente resistente ao método dela sobre dobrar as peças. Achava a maior perda de tempo e pensava que não iria ter um grande impacto na minha rotina. Quando eu li o seu primeiro livro, foi algo que eu reduzi a quantidade de roupas que eu tinha e realmente comecei a olhar o consumo e principalmente o meu armário de forma bem diferente.

No primeiro livro Marie Kondo apenas dá umas pinceladas sobre a sua técnica de dobrar e eu não estava dando tanta importância para isso. Achava que minhas gavetas do jeito que estava me satisfazia. Mas o tempo foi passando e eu estava ficando bem insatisfeita com a minha gaveta de camisetas, especificamente.

Já no segundo livro, Marie Kondo faz um guia ilustrado do seu primeiro livro! De forma tão didática que é impossível dar errado se seguir os passos certinhos!

Como eu estou com uma rotina bem corrida de manhã e preciso estar minimamente apresentável pro trabalho (hahahaah) comecei a perceber que estava usando sempre as mesmas roupas, principalmente quando eu não estava no trabalho, eu usava as mesmas camisetas para sair, eis que então eu voltei para o segundo livro e resolvi colocar em prática a sua técnica de dobrar roupas.

Marie Kondo passou anos aprimorando sua técnica, pois não é dobrar por dobrar. É dobrar de forma que você visualize o que tem numa passada de olho, multiplicar a sua capacidade de armazenamento e principalmente, suas roupas não ficarem amassadas.

marie-kondo

Kondo inclusive desmistifica que dobrar é amassar roupas. Ela afirma que dobrar corretamente faz com que ajude no processo de manutenção do tecido, pois vai estar respeitando suas tramas e não vai criar pressão desnecessária.

O seu método de dobrar é o seguinte: independente de sua aparência, qualquer peça pode ser dobrada no formato de um retângulo. E ela ficou tão ninja nisso que ela consegue dobrar tudo que você imaginar! Mas como fazer isso?

  • Dobre as pontas do “corpo” da roupa em direção ao centro para formar um retângulo;
  • Dobre o retângulo ao meio no comprimento;
  • Dobre novamente ao meio ou em três partes.

IMG_1566

Foi então que numa tarde eu decidi colocar isso em prática e aí foi transformador!! Eu sempre gostei mais de pendurar o máximo de roupas possível, e alcancei o nível de ter uma peça em cada cabide (daqueles de veludo).

Através dos ensinamentos da Marie Kondo organizei meu armário na ordem decrescente, fiz separação por cores, bem no estilo da seta ascendente. Tem até post falando isso, só clicar aqui!

Quando decidi organizar a gaveta de camiseta eu não pensava que eu tinha tanto espaço assim e nem imaginava a diferença que dá ao visualizar todas as peças de uma vez só! Eu ainda estou aprimorando, pois algumas peças ainda não ficam em pé sozinhas, mas em sua maioria eu consegui e me senti muito capaz! hahaahah

IMG_1564

Eu ainda acho que algumas ficaram moles demais, então vou refazer para ter um efeito mais satisfatório. Senti dificuldade nas camisetinhas levinhas. As mais grossinhas por si só e sem muito esforço ficam do jeito que a gente quer rapidinho! hahaha

Então a minha dica é a seguinte: tá achando que sua gaveta ta pra explodir? Experimente dobrar as peças de forma correta! Você vai perceber o quanto que sua gaveta vai aparentar leveza!

Eu não quis fotografar todas as dicas dela, porque né… é sacanagem com a autora! Mas além daquela foto lá de cima sobre como dobrar camisas de manga comprida, fotografei também as camisetas de alcinha! Pois acho que todo mundo tem várias assim! hahaha

img_1567.jpg

Essa foi sem sombra de dúvida uma das minhas melhores aquisições nos últimos tempos e volta e meia eu dou uma relida para colocar algo em prática ou mesmo verificar se estou fazendo certo!

E indico de olhos fechados fazer esse extreme makeover no seu armário! É incrível como otimiza o nosso tempo e espaço!!

Espero que tenham gostado!!!

Beeeijo

Rah

 

Anúncios

6 coisas que aprendi com Marie Kondo

Marie Kondo é sem sombra de dúvidas uma das personalidades que eu mais admiro! Ler os livros dela foi algo transformador em minha vida! E por isso resolvi fazer um resumão do que eu aprendi com ela! 

Pra quem não a conhece, Marie Kondo é essa japonesinha fofíssima e é considerada a guru quando o assunto é organização! Desenvolveu uma técnica de dobrar roupas que é capaz de multiplicar o seu espaço de armazenamento!

marie-kondo-s-tidying-tv-series-is-coming-to-netflix-marie-kondo-organizing-expert-5a26da00604f27084a0d3236-w1000_h1000

Ela acredita piamente (e quem começa a aplicar as dicas dela também passa a acreditar) que organizar é mudar a vida completamente! O simples fato de eliminar a bagunça faz você ganhar tempo e qualidade de vida!

Para Marie, você precisa apenas de duas competências para ser bem-sucedido na arte de organização, e elas são:

a) a capacidade de manter o que lhe dá alegria e de jogar fora o restante;

b) a capacidade de decidir onde manter cada objeto escolhido, sempre recolocando-o no lugar após o uso.

Então por isso, eis as grandes lições de Marie Kondo!

1. Comprometa-se a arrumar. Organizar exige tempo e empenho. Por isso, quando você decidir fazer a sua grande organização você tem que estar ciente que isso vai lhe tomar tempo e que isso vai cansar. 

Marie sugere que quando você for organizar nunca coloque música alta, pois isso vai afetar a sua capacidade de sentir o que lhe traz alegria. E ela afirma que depois da sua primeira grande organização concluída (que é a mais trabalhosa), a bagunça nunca mais vai estar na sua casa.

Depois disso, o resto é rotina de casa: colocar as suas coisas no lugar quando você chega em casa ou quando usa algo. Se criarmos esse hábito, não vamos mais ver bagunça, principalmente quando decidimos o que manter em casa.

Não interrompa, não pare e não desista quando você estiver no seu processo de organização. Defina metas, pois não importa quantas coisas você tenha, essa quantidade é sempre finita.

2. Nunca comece a organizar pensando no que descartar. Pode parecer meio paradoxal, mas tem gente que tem pavor de pensar em se desfazer de algo. Por isso a regra de ouro dela é mantenha apenas o que te traz alegria. 

Mas como assim manter apenas o que traz alegria? 

Para colocar isso em prática, você precisa tocar o objeto (ela ainda vai além, diz para abraçar a peça, senti-la), sentir se aquilo realmente lhe traz a sensação de felicidade em ter aquilo na sua casa. Por incrível que pareça o nosso corpo reage totalmente diferente quando tocamos/abraçamos uma peça que nos traz alegria e quando uma peça “já deu o que tinha que dar” pra gente.

Quando você começar esse processo, atente-se a perceber seu corpo e suas reações! Você vai perceber que com o objetivo de manter apenas o que te traz alegria, o processo de descarte será muito mais tranquilo!

Mas se mesmo assim você não consegue distinguir o que te traz alegria, comece com o que você considera importante ou até mesmo comparando com outros itens já escolhidos. Se aquele item te traz a mesma intensidade de alegria que os outros já separados, você o mantem!

Tem gente que faz ranking dos itens para facilitar a sua escolha, assim o processo de comparação fica mais leve!

Cuidar bem de suas coisas faz com que você cuide bem de si mesmo.

3. Organize tudo por categoria e não por cômodo. Quando queremos organizar, nosso costume faz com que a gente queira arrumar por cômodo. Daí bate aquele cansaço, não é mesmo? 

Pra isso, Marie Kondo afirma que você deve começar a arrumar por categorias. Ou seja, quando for arrumar as roupas, é preciso juntar todas as suas peças que estão por toda a casa e deixá-las tudo num lugar só. Aí você vai ter o choque da quantidade de itens que tem e começar o processo de auto-análise se toda aquela montanha de roupas de traz felicidade! 

Mas lembre-se! primeiro você precisa terminar o processo lá de cima, que é o descarte de cada categoria. Só comece a planejar onde colocar suas coisas depois que fizer o passo anterior! Pois só assim você vai ter uma noção exata do quanto que precisa guardar.

A palavra-chave para guardar as coisas segundo a Marie Kondo é dobrar. Sem brincadeira, ela desenvolveu uma técnica de dobraduras de roupa de deixar qualquer um de queixo caído! Deixar as roupas dobradinhas faz com que a gente tenha uma visão geral das peças em um único lugar (uma gaveta, por exemplo).

Sobre esse assunto eu ainda irei fazer um post específico, pois cada peça leva um jeito diferente de dobrar, mas a regra geral dela é dobre tudo até o ponto em que a peça fique em pé sozinha. E pra isso, ela tem a técnica, conforme essa imagem abaixo!

mc3a9todo-marie-kondo-2

 

4. Organizar tem uma ordem correta. Quantas vezes a gente estava arrumando nosso armário e nos deparamos com alguma foto e ficamos viajando no tempo e horas depois a gente percebe que não guardamos nem 3 peças?

Depois de anos de muito estudo e experiência, Marie Kondo chegou a uma ordem de organização e ela tem como único objetivo você não se perder no meio dela, e consequentemente, se cansar! Então a ordem a ser seguida fielmente é:

  • Roupas;
  • Livros;
  • Papelada;
  • Komono (itens diversos sem uma categoria específica, ou seja, bagulhinhos que a gente guarda kkkk);
  • Itens de valor sentimental.

E porque devemos seguir essa ordem? Porque se desfazer de roupas é muito mais prático (e depois que pega o ritmo fica mais rápido) e menos sentimental. Já os itens de valor sentimental ficam por último pois normalmente a gente fica mais tempo olhando uma foto, um bilhete…

5. “Isso pode ser útil” é um mito! Se a gente guarda algo com a desculpa de que um dia a gente pode usar, mas passou anos e nunca usamos, é porque aquilo não se encaixa na nossa rotina! E se depois de se desfazer de tal item e um dia precisarmos usar a gente adequa, criando um substituto. Mas se a gente utiliza algo as vezes (por exemplo, uma furadeira) é melhor mantê-lo, mesmo que aquela ferramenta não nos traga necessariamente alegria.

Porém, se depois de algumas análises e ainda sim ficamos em dúvida sobre algum objeto, devemos mantê-lo sem culpa. Porque na organização só temos dois caminhos: ou mantem ou descarta. Entretanto, se decidir manter algo, precisamos cuidar bem.

6. E por fim mas não menos importante, coloque cor na sua casa, crie seu espaço energético! Até porque uma casa organizada não precisa ser sem graça, né?!

Por isso, coloque seus itens de valor sentimental que restaram em destaque na sua casa! Dê utilidade a eles!

Crie um espaço só seu, não importa o tamanho dele! Pode ser um cômodo ou até mesmo uma mesinha, ou uma prateleira dentro do seu armário! Faça com que esse espaço seja a sua cara, que ali seja seu ponto de revitalização! 

Com a organização, a energia da sua casa vai circular e nada melhor do que ter o seu cantinho energético! 

Marie Kondo não ensina apenas uma organização de objetos e sim uma organização que vai refletir na mudança de seu comportamento! É impressionante como as coisas começam a ter um novo sentido e a sua mudança de atitude perante a vida!

Testem! Tenho certeza que vocês vão amar! 

Beeijo

Rah

 

 

Por um 2018 mais organizado!

Fim do ano batendo na porta e claro que bate aquele balanço sobre o ano que está acabando e o planejamento para o próximo. Não sei vocês, mas nesse 2017 eu quase fechei todas as minhas metas planejadas.  E oh, não foram coisas absurdas. Apenas tive um 2016 tão reflexivo, que criei um 2017 mais real, com aquilo que eu queria me tornar. E isso refletiu 100% no quesito organização!

Sim, mudei de cidade, de casa (duas vezes) na nova cidade, arrumei emprego e com isso a organização se fazia mais e mais exigente. Sempre digo para minhas amigas que se eu tivesse lido o livro da Marie Kondo em Manaus eu com certeza não teria gasto tanto dinheiro na mudança. E uma das minhas maiores vontades era ter os cabides iguaizinhos! Pois parece bobagem, mas ter cabides iguais poupa um espaço surreal dentro do armário!

Foi então que esse ano foi dedicado a isso: organizar. E acabei me conhecendo demais em todo esse processo que não acaba jamais, só aprimora! Depois do desafio 333 (onde usei apenas 33 peças por 3 meses) transformei demais meu modo de consumir e de selecionar o que tenho no meu guarda-roupas. Analisei roupa por roupa e fiquei atenta se cada peça me despertava um sentimento de felicidade ao tê-la comigo.  E eis que esse processo gerou um armário lindo de se ver! hahaahah

Antes ele estava assim:

IMG_1344

IMG_1346

Aparentemente organizado, certo? Mas aqui tinha muita peça dentro de outra pendurada no cabide e era tudo diferente do outro. Depois de um tempo isso começou a me causar um certo “barulho”, pois toda vez que abria o guarda-roupa não via uma uniformidade. 

Eis que aconteceu a Black Friday e terminei de completar meus cabidinhos de veludo! ❤ Todos iguaizinhos, fininhos e prontos para deixar um look mais igual. Para a arrumação em si, usei o método da Marie Kondo, em que mentalmente você desenha uma seta apontando para a direita, onde a base da seta são os itens mais pesados/longos e a ponta dela os itens mais leves/curtos. Como sou aloka disso, sub-dividi ainda mais! 

Dentro dessa lógica, fui colocando as roupas que uso mais para a base da seta e as que uso menos na ponta, assim me forço mais a ver as roupas que não uso e começar a usá-las, caso contrário, vai direto para a doação!

E então, ficou assim:

IMG_1345IMG_1349

E o resto da organização você pode fazer de acordo com a sua rotina, pode ser por cores, por categorias, pelo tanto que usa e por aí vai… O ideal é que seu armário otimize seu tempo e que você visualize tudo que tem e que goste de tudo que tem! 

Mas a saber: organizar não é esconder bagunça! Organizar é ter cada coisa útil em seu lugar. Ter apenas o que lhe serve. 

E com isso, vou entrar o 2018 com mais um “projeto”. Vou guardar todos os potes vazios de shampoo, produtos pra cabelo em geral, maquiagem que fui usando em 2018 para ter uma noção do que eu gasto e assim eleger melhor o que comprar, a quantidade que gasto… Quem sabe assim não invisto em produtos melhores, hein? Quero analisar a quantidade x qualidade. Eu desde o início de dezembro já comecei a separar os frascos vazios! E só comprarei algum item quando ele acabar!

Marie Kondo diz que quando temos uma vida doméstica organizada, tudo em nossa volta melhora! Nossas relações, nossa clareza em analisar as coisas, em planejar… Então nada melhor querer só coisas boas começando com algo bem prático né?! 

E para não deixar acumular, temos que organizar todo dia! Chegou em casa? Coloque o sapato no lugar, a bolsa, os acessórios, as roupas.. Manter tudo num estado de organização constante é e será pra mim uma atividade diária, assim vou conseguir aproveitar mais o dia de folga!

E para finalizar, vou mostrar aqui um antes e depois dos cabides iguais com a organização das roupas!

0350F96F-9FEB-4B81-BF31-F5B9A8A237A5BD77B26B-4829-4612-A1FB-495206CF0532

As gavetas será um post a parte pois eu ainda estou tentando aprender a fazer as dobraduras que Marie Kondo ensina no livro! Assim que eu conseguir, fotografo tudo e posto aqui!! 

Beeeijo e espero que tenham gostado!!

Rah

 

O que aprendi vivendo com 33 peças de roupa

Desde que eu vi o documentário The Minimalists tive um forte momento de auto percepção que confesso que mudou bastante o meu modo de vida e como encaro gastos. Para quem não viu, fiz aqui um post sobre isso (clica vai!) e foi nesse documentário que conheci o Project 333 (fiz esse post aqui e aqui), que em linhas gerais consiste num desafio de viver com 33 peças de roupas (tem algumas exceções que não entram nas 33 peças) por 3 meses. 

E desde que vi o documentário e procurei saber mais profundamente sobre o Project 333 me senti desafiada a aplicar esse projeto! E para dar um certo grau de dificuldade, resolvi utilizar pra esse projeto roupas que eu não usava muito por N motivos. Escolhi um dia para começar e pronto! Foram 3 meses de MUITO aprendizado!

  1. Comecei a sacar realmente o que cai bem em mim e o que não.

Eu tinha umas peças de roupas que se enquadrava no “talvez”. Talvez um dia eu use, talvez um dia fica bem, talvez combine com algo, talvez eu tenha outra opinião sobre o caimento dela… E o resultado? Depois de 3 meses usando eu doei! Porque simplesmente não me sentia bem dentro dela.

2. Meu tempo de arrumação dura agora no máximo 5 minutos.

Antes eu demorava uma vida pra me arrumar, agora que tenho no meu armário apenas roupas que eu amo, ter que me vestir ficou bem mais prático!

3. Comecei a valorizar qualidade do que quantidade.

E mais, comecei a valorizar a sensação de me sentir bem usando algo. Pode parecer bem bobo, mas muitas vezes a gente compra algo só porque está na moda, sendo que isso não reflete nem um pouco do nosso estilo e isso acaba que deixa a gente se sentindo estranha na própria pele! Quando comecei com esse desafio eu comecei a me perceber mais feliz com umas roupas do que com outras. 

E mais, doei roupas que eram difíceis de usar, por exemplo, botões muito pequenos, caimento estranho, comprimento que me deixava incomodada…Fiz uma senhora de uma limpa no meu armário e hoje em dia só visualizo roupas que combinam entre si, roupas que me deixam satisfeita! 

4. Nosso armário tem infinitas possibilidades, que nem usando as 33 peças pude esgotá-las!

Eu queria ter tido uma melhor administração do meu tempo para mostrar inúmeras possibilidades com as mesmas peças de roupa, mas esses meus 3 meses de desafio foram também meses complicados pra mim, quase não tinha tempo de fotografar algo!

OYWE5274

5. Ninguém presta atenção se você está repetindo roupa ou não.

Mas todo mundo presta atenção se você está mais confiante com aquela roupa! Durante o período do desafio 333 algumas pessoas me perguntavam o que eu tinha feito, porque estava diferente. Acho que isso é “culpa” da redução do tempo em se vestir e de usar aquilo que a gente gosta. A gente fica realmente diferente, começa a focar em outras coisas. 

E se você é cercado por pessoas que notam se você está repetindo roupa ou não, tá na hora de trocar de amizades!

6. Para quem leva o desafio a sério, ele é transformador!

Não é bobagem! Mas eu mudei completamente a minha forma de ir ao shopping! Consigo entrar numa loja e não querer comprar nada pelo simples fato de me sentir satisfeita com o que tenho no armário. Porém, pra gente chegar a esse nível é preciso conhecer o que tem dentro do armário! E a gente só sabe disso quando entramos num processo de auto conhecimento, de organização!

Quando finalizei o desafio foi um mix de sensação. Foi maravilhoso poder vestir algumas roupas de novo, parecia que eu tinha acabado de comprar! E ao mesmo tempo, foi maravilhoso poder doar várias peças, porque eu já não me reconhecia usando-as. Não fazia mais sentido pra mim. E até hoje, quase 2 meses depois de ter finalizado o projeto não comprei quase nada. E eu achava que iria querer comprar todas as roupas do mundo! hahaha

Eu indico pra quem quiser se conhecer melhor fazer esse tipo de experiência! Vale muito a pena!!!

E aqui um resumão do que foi o Project 333 pra mim!

5 e 6a semanasemana 3semanasemana2semana4semanamin

IMG_1482_Fotor_Collage

Beeeijo

Rah

 

 

Diário de uma Minimalista: 2º mês

Olááá! Voltei com o Diário de uma Minimalista! Essas últimas semanas tem sido uma loucura, então eu parei de postar porque eu não tinha tempo para fotografar os looks! Mas o desafio das 33 peças em 3 meses está firme e forte!

Como tenho falado, esse projeto tem sido transformador. Não só o tempo de me arrumar que caiu drasticamente, mas a minha percepção sobre o que funciona pra mim melhorou MUITO! Tem algumas peças que depois desse desafio eu vou desapegar, pois vi que não tem rolado pra mim direito… E já separei uma super sacola de coisas do meu armário, pois em breve vou colocar em prática o método KonMari de arrumação.

Mas antes disso, vou mostrar as fotos que foram tiradas!

5 e 6a semana

semanasemanamin

Só queria deixar claro que o frio foi embora e já estou com saudades da minha bota! hahahaah

Espero que gostem!! E falta apenas 1 mês para o desafio terminar! :O

Beeijo

Rah

Desapegos de verão e doações na Alemanha

Quando me mudei pra Alemanha precisei fazer um grande exercício de desapego. A companhia aérea permitia que eu trouxesse duas malas de 32 kg comigo, o que é bastante coisa, porém achei que iniciar minha nova vida por aqui com essa quantidade de itens seria algo, no mínimo, cansativo. Simplesmente não me imaginava entrando no país com tanta tralha, arrastando essas duas malas por aí até chegar em meu novo apartamento, que não teria espaço pra tantas coisas.

Por causa disso, reuni aquilo que eu julgava necessário, e trouxe tudo comigo. Deixei no Brasil sapatos, bolsas, perfumes, roupas, livros, e tudo que eu sabia que não usaria, ou usaria com pouca frequência.

Em alguns momentos até me perguntei se esses objetos não fariam falta, ou se não iria surgir uma ocasião na qual eu fosse precisar deles, porém eu aprendi que eu podia viver tranquilamente sem aquelas coisas, e mantive comigo só o que possuía algum tipo de utilidade.

Após um certo tempo aqui, fui adquirindo novas roupas, sapatos, bolsas e etc., e notei que eu estava acumulando mais do que eu necessitava. Assim, ontem eu fiz o exercício de analisar tudo que havia no meu armário e selecionei o que não tinha mais utilidade para mim.

IMG_3426 (2).jpg

Dessa forma, surgiu o meu “desapego de verão”. E quais critérios definiram o que ficava, e o que saía? Bem, foram vários. Com o tempo mudam os nossos gostos, o nosso entendimento e visão sobre o nosso corpo, e os nossos requisitos sobre aquilo que tem alguma serventia pra nós.

Doei coisas que eu trouxe do Brasil na esperança de usá-las na primavera e no verão, e que ficaram entocadas por um ano (ou seja, zero utilidade), roupas que havia provado no ato da compra, mas que ao longo do tempo vi que não me caíam tão bem, e não me traziam felicidade com relação ao meu corpo e meu visual, tênis lindos, mas que destruíam (de verdade!) os meus pés após uma curta caminhada, e objetos que simplesmente eram incompatíveis com a pessoa que sou hoje.

IMG_3399 (2).jpg

O ponto é que hoje me conheço cada vez melhor, sou muito mais segura de mim e daquilo que gosto e não gosto, e daquilo que é e não é útil para mim. O que não se encaixa nos critérios citados acima, sai (e sim, podemos viver sem essas coisas).

E o que isso tem a ver com a Alemanha?

Bem, a Alemanha é um país com um forte programa de reutilização de recursos, sejam eles quais forem. Vou abordar esse tema de forma mais profunda no futuro, mas o ponto é que eu posso não precisar dessas coisas, mas há quem as queira e a forma de repassar esses itens pra quem necessita é muito fácil.

Por exemplo, você pode deixá-los em pontos de doação da prefeitura que ficam espalhados pelas ruas de Berlim, depositando roupas nesse local, ou simplesmente colocar tudo numa sacola com um bilhetinho que diz “zur verschenken” (para dar/ doar).

Depois, é só posicionar essas sacolas na frente do seu prédio, na calçada, ou debaixo de uma árvore, que em pouco tempo elas serão levadas por quem se interessa pelo conteúdo delas (foi o que fiz).

IMG_3432 (2).jpg

Três sacolas cheias prontas pra doação

De uma forma muito simples você se desfaz daquilo que não te serve (por você não gostar mais, por não vestir bem, por você ter começado a achar feio, ou apenas porque você acumulou desnecessariamente), e deixa o dia de quem precisa mais feliz.

Gostaram do post? Curtam, comentem, compartilhem! 😀 Tem algum tema que vocês querem que eu aborde aqui no blog? Se sim, digam nos comentários, ou entrem em contato comigo pelas minhas redes sociais! Querem ver meu dia-a-dia aqui na Alemanha mais de perto? É fácil, me sigam no Instagram: viviancreder.

Beijão pra vocês :*

Vivi.

Diário de uma minimalista: 5ª e 6ª semana

Olá! Cá estou novamente! Falhei um pouquinho por motivos de: viajei e não tive como fotografar nada e também por lá fiquei praticamente dentro de casa…

Uma coisa que tenho percebido e que tem me atrapalhado um pouco é a quantidade de vezes que tenho que lavar roupa. Não é que eu não goste, mas agora praticamente toda semana preciso lavar… E antes eu fazia a cada 15 ou 20 dias… Então se você quer ter um mini armário se prepare para se programar BEM ou então vai ficar sem roupa limpa!

5 e 6a semana

Essa camisa branca aí os botões são tão minusculos que eu estou pensando em colocar pra doar assim que o desafio acabar (apenas 2 meses!!!). Eu tinha ganho há pelo menos 2 anos e nunca tinha usado (realidade de muuuita gente com o armário abarrotado!!) e quando experimentei esse detalhe dos botões me fez perder bastante tempo! :/

Espero que tenham gostado!! E semana que vem tem mais foto!!

Beeijo

Rah